metamorfose #1

O exercício da tolerância depende, basicamente, da capacidade de se colocar no lugar do outro.

E as rusgas banais, cotidianas, são, sobretudo, frutos da falta de tolerância.

Mas há casos em que não há tolerância por pura falta de vontade mesmo.

Como meu caso. Meu caso com a Senhorita Kátia F.

Se estivéssemos sobre o eixo xis, Kátia F. e eu estaríamos exatamente à mesma distância do ponto de origem — mas aquela, do lado negativo do plano.

E não é que somos reflexos uma da outra. Absolutamente. Se me visse um dia no espelho e, em vez da virtualidade costumeira, me deparasse com a imagem terrível de Kátia me mataria ali mesmo. Ou me trancaria, como Gregor Samsa.

Não são só as luzes californianas, a manicure à francesa,  nem a postura deselegante que me incomodam. Nem o excesso de lycra, o excesso de salto, o excesso de pudor (absolutamente desproporcional à saliência de seu traseiro inevitável).

É o jeito como fala, as coisas que lhe são importantes, o preconceito, o consumismo, o jeito como usa eufemismos para “pobre”. São as canetas com estampas infantis e o jeito lento como come sanduíches do McDonald’s.

É a avareza, o modo estúpido como trabalha de graça.

É o modo estúpido como desperdiça a vida.

Basicamente, irrito-me quando está por perto. E tenho certeza da reciprocidade do sentimento, ruim, porém sincero.

Mas um dia, Senhorita Kátia F. acordou muito estranha. E percebeu que também odiava aquela imagem vulgar. Lembrou-se de que gostava de algumas poesias modernas. Não entendia todos aquelas brinquedos e enfeites bregas do quarto que crescia assustadoramente ao seu redor.Não entendeu o que fazia com aquele cara ali, na parte de lá da cama naquela manhã.

Um dia, Senhorita Kátia F. acordou metamorfoseada de mim.

[continua]

Anúncios

6 thoughts on “metamorfose #1

  1. huahauhauahuhauhuahauhauahuahuaha. Tô chorando de rir aqui!! Genial! Continua logo!

    E o de baixo, é bom registrar, que não sei se blog vale como prova em processos de plágio.

  2. a arrogância e prepotência de Dona KF me ascendenram. tem uma churrascaria em curitiba que chama KF, um lugar onde só se come carne, apenas a carne….

  3. Fodam-se os outros, pensou em silêncio com aquele risinho de bruxa dos filmes de Walt Disney. Foi aí que a outra face de Cristo acabou, aquela madame tinha a bunda muito redonda e o nariz muito impinado, uma coisa equilibrava a outra, achava o visual “converse/saia” muito jacu para se andar no shopping do centro da cidade. Olhava sempre com desdém digno de mocréias nojentas do Parque Barigui andando ao meio dia de domingo com aqueles paninhos ridículos escondendo suas bundas pagas pelos maridos chifrudos, as cifrando no Motel no caminho das praias sujas do litoral do Paraná.
    Mal amada, diriam os homens, mal comidas diriam as mulheres, Dona KF, esbanjava sua visguenta nojentissepelo caminho como um rastro de lesma. O meu olhar salgado a derreteria….

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s