antiepifania

Tinha um livro sobre reprodução dos mamíferos na estante de casa. No capítulo sobre seres humanos, uma imagem de página inteira de um feto, flutuando naquilo que, para mim, se parecia muito com a imagem do universo, do outro livro da coleção de ciências.

Eu achava que o lado de dentro era oco, cheio de estrelas e escuridão. E que de alguma maneira mágica essa imensidão vazia cabia toda ali ao redor do feto, que flutuava. Astronauta daquele universo particular.

Um dia visitamos uma feira de ciências da outra escola. Uma menina levou uma galinha aberta. As tripas da galinha expostas. Um monte de gelo paralisando o tempo, a decomposição das vísceras. Eu apertei minha própria barriga enquanto via aquele cadáver na mesa.

Antiepifania.

Anúncios

4 thoughts on “antiepifania

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s